domingo, 7 de junho de 2009

Qual o momento em que somos Felizes?

Qual o momento em que somos Felizes?


Qual é o momento? Como podemos nós classifica-lo? Quais as características inatas de um SER que está plenamente Feliz?

A Felicidade é sinónimo, de ausência de Desejo, pois o próprio conceito de desejo, adverte a um estado de carência, de falta, de privação. Quando o Homem esquece o desejo, e abandona o desejo, a felicidade surge, pois na sua ausência, apenas a Felicidade existe.

Face a esta perspectiva, podemos facilmente identificar, o porquê de tão pouca felicidade na Sociedade, no Mundo e na Vida do Homem.

Uma vez que o Homem esqueceu-se de quem “É”, como Vida, na sua essência. Ele julga-se incompleto, e por consequência a carência e o desejo surge, como solução á sua ignorância, ao seu esquecimento. Fora lhe ensinado que a felicidade é algo que se compra, que se adquire, que se conquista, que se busca, tudo isso induziu o Homem ao erro, ao esquecimento dele mesmo como VIDA que “É”. Tudo isso fê-lo estabelecer metas, separação entre ele e o objectivo, que por sua vez o fez mergulhar na roda do tempo, prova disso, são os desejos constantes, de bens materiais, conjugais, amigos, estatuto social, etc.

O Homem procura incessantemente a concretização dos seus desejos, porque no momento que satisfaz esse mesmo desejo, o desejo desaparece, cessa em existir, e com isso é lhe dado o sabor da felicidade, a graça de estar VIVO, no Aqui e no Agora. Por momentos não existe mais desejo, e o jogo do tempo termina, ele entra no instante Sagrado, que é o eterno Agora.

Contudo iludido, com a sensação, ele julga que foi o bem material, ou a acção, que lhe provocou essa felicidade. Mas nada, no exterior pode substituir o instante Santo, nada pode substituir a plenitude de Viver o Agora, porque o Agora é Completo, Perfeito, e tudo alberga, dele tudo nasce, tudo surge, tudo desvanece.

Todo o exterior é efémero, é condicionado a um princípio, meio, e fim. A Vida Consciente jamais se condiciona ao Mundo das formas, á dualidade. Jamais se aprisiona a objectivos a desejos, pois o simples acto de possuir, de desejar, algo que lhe é inato, é irreal, é ilusório. A Vida Consciente é sinónima de liberdade, de Amor, de fluidez, e de inocência, de não dualidade, de Unicidade.

A Felicidade é assim, ausência de desejo, sinónimo de VIDA, e a VIDA é o OBJECTIVO, no Aqui no Agora, que por sua vez é sinónimo de Vontade de VIVER, de bailar com o vento, com a música, com o riso de uma criança, com amanhecer do Sol, com o contemplar de uma flor, com a infinita Presença, que é vislumbrar a Magia da Vida, e por fim de saber que “EU” sim, sou essa Presença.

PAZ

14 comentários:

  1. A felicidade em ótica minha,maneira de viver é!
    Momentos são sim,continuados de postura essa,pois feliz ser,conjuga verbos como viver,triste estar,feliz da vida se sentir,sentimentos de perdas e emoções de conquistar,amar e amado ser,isento de ressentimentos,a vida é uma nau,e o timão,em mão sua fica!
    Amei post esse!
    Amo oráculo seu,de Vida,Vida e Vida!
    Viva a Vida!

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito de eus pensamentos...volto.

    ResponderEliminar
  3. Quando? Onde? Por que? Com quem?

    A Felicidade é algo muito subjetivo, mesmo estando Feliz, ha sempre algo que nós falta...

    Tem uma frase muito interresante que poderia definir a Felicidade:

    Ontem eu era indeciso, hoje já não sei!


    É como a Felicidade... no mesmo momento em que estamos felizes isso logo passa.

    Tenha Bons Sonhos.

    ResponderEliminar
  4. A felicidade parte de dentro da gente!

    bjaum

    ResponderEliminar
  5. Boa noite.
    Quem planta amor, colhe amizade...
    Quem semeia a alegria, colhe felicidade...
    Quem semeia a fé, colhe a certeza...
    Quem semeia carinho, colhe gratidão...
    Quem semeia a verdade, colhe confiança...
    Beijos na alma

    ResponderEliminar
  6. No momento em que decidimos viver... aí sim, somos felizes...

    Abraço! =)

    ResponderEliminar
  7. R: Obrigada por comentar... acrescentou!

    Volte sempre!

    ResponderEliminar
  8. Mil caminhos
    Esta viagem sem velas nem vento
    Este barco na bolina das ondas
    Esta chuva miúda transborda sentimento

    Amarras prendem o gesto
    Arrocham um coração que bate incerto
    Uma gaivota retoca as penas com espuma
    Levanta voo em rumo concreto

    Partilha comigo “100 Anos de Ilusão”


    Mágico beijo

    ResponderEliminar
  9. Será que estou feliz?
    Porque não estou desejando nada.
    Porque estou num exercício de desapego , até de pessoas importantes na minha vida - isso até que tá doendo mas era a continuidade do apego ou eu.
    Sua postagem está perfeitíssima.
    Certeira e quiçá chegássemos verdadeiramente a este estado.
    Estou tentando...tentando.
    Mas de verdade, não foi porque li aqui não - acho que tem um momento na vida em que a escolha entre o essencial e o que sobra é necessária.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  10. hoje
    aqui aprendi um pouco mais!


    beijos

    ResponderEliminar
  11. Ser feliz é diferente de pessoa para pessoa.
    O que eu posso considerar como ser feliz pode muito bem ser o que outro considere ser infelicidade.
    Não existem duas pessoas iguais e a felicidade não é igual para todos.
    O "estar" feliz já é passivel de ser mais consensual: é um estado de alma e de satisfação fisica.
    Mas quem não gostaria de ser sempre feliz?

    ResponderEliminar
  12. "A verdadeira amizade deixa marcas positivas que o tempo jamais poderá apagar."

    um bom dia
    Beijos

    ResponderEliminar
  13. Amizade é tudo, infelizmente algumas pessoas não dão o devido valor e não buscam verdeiras amizades.

    ResponderEliminar
  14. Então não sei o que é felicidade, pois acho que faz parte da alma humana desejar e me sinto demasiadamente humano. Só as divindades verdadeiramente não desejariam [isso em algumas culturas do Oriente, pois no Ocidente até elas desejavam]e assim alcançariam o Nirvana. Enfim, eu desejo e sou profundamente insatisfeito e incompleto, pois sei que jamais haverá como preencher todas as lacunas que me angustiam, daí fazer o quê senão viver e esperar...

    ResponderEliminar